André apoia projeto que libera construção de casas populares em todo o município

Nesta quinta (6/02), o prefeito Jonas Donizette assinou o projeto de lei que permite a construção de empreendimentos habitacionais de interesse social (EHIS) em todo o município, exceto na Área de Proteção Ambiental (APA) de Sousas e Joaquim Egídio, Barão Geraldo e região central, locais onde a restrição será mantida. O projeto agora será enviado à Câmara de Vereadores para ser debatido com todos os setores da sociedade. “É um grande avanço para construção de novas habitações populares”, disse o vereador André von Zuben, que acompanhou a assinatura do projeto. De acordo com André, que já foi Secretário de Habitação de Campinas, além de enfrentar o déficit habitacional, a medida é também uma forma de inclusão social.

O projeto amplia as áreas para a construção de moradias populares atualmente restritas às macrozonas 5 (regiões do Ouro Verde e Campo Grande), 9 (região dos Amarais e Nova Aparecida) e em alguns setores da macrozona 4 (centro expandido do município e rodovia D. Pedro I).

Segundo o prefeito, a ideia é distribuir os novos empreendimentos habitacionais de forma mais homogênea e, ao mesmo tempo, minimizar os impactos decorrentes da mobilidade urbana, contemplando com moradias as pessoas que já vivem ou trabalham nas áreas onde forem implementadas as unidades habitacionais populares. “Com esta mudança vamos também contemplar as pessoas com equipamentos sociais já existentes como creches, escolas e postos de saúde, além de evitar grandes deslocamentos. Conto com o Poder Legislativo para fazer com que a cidade entenda, através dos debates que vão surgir, que estamos desenhando uma nova visão para o município na questão habitacional”, completou o prefeito.

Para a secretária de Habitação e presidente da Companhia de Habitação Popular de Campinas (Cohab-Campinas), Ana Amoroso, o projeto vai beneficiar muita gente. “Todos os setores da administração estão empenhados em diminuir o déficit habitacional estimado, atualmente, em 40 mil unidades pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Portanto surge um novo cenário e a aprovação deste projeto vai mudar a história da habitação popular em Campinas,” afirmou Ana.